“Quem vem a mim não terá mais fome…” (Jo 6,35)

Quem aqui não sente você? Têm alguns períodos da vida que não é fome apenas de comida, mas de vida. As leituras de hoje falam da fome da humanidade e como é difícil saciar-se de um alimento que permanece não apenas no corpo como também na alma.

Na primeira leitura encontramos um dos motivos que as vezes não permite um homem sentir-se saciado. Você já ouviu falar da murmuração – de ficar reclamando do que está acontecendo? O povo que estava a caminho da terra prometida parou para reclamar, e o pior para lembrar que era melhor no tempo da escravidão do que agora que estão livres.

Mas por que isso veio acontecer? Porque o povo estava passando pelo período precário e de purificação.

Mas também vemos nesta leitura a maneira de Deus providenciar o alimento necessário para dar suporte, para lidar com esse período precário e de purificação.

São Paulo na segunda leitura pede para a Comunidade de Efésios para não continuar a viver como pagãos. Que era necessário despojar o velho homem. Renovar o Espírito e a mentalidade, revestindo o homem novo.

No Evangelho Jesus percebe que a multidão estava atrás dele devido ao pão que foi dado para saciar, porém esse pão era momentâneo.

Ele exorta os seus seguidores para ter uma atitude de esforço para que se tenha um alimento que permaneça e não se perda. Esse discurso de Jesus causa várias reações nas pessoas. Primeiro ele entusiasma, depois passa pela dúvida, desilusão, rejeição e até abandono.

Fica uma pergunta para nós: Por que estou buscando Jesus? Os seguidores de Jesus entenderam o sinal apenas como maneira de saciar e não como compartilhar a vida.

A Vida que Jesus promete não vem de fora e de maneira espetacular como no Maná no deserto, mas do discernimento do que estamos fazendo da nossa vida.

Quando Jesus diz que é o pão da vida, Ele recorda que também somos e que podemos alimentar a esperança, o perdão, a acolhida, o compartilhar e o compromisso com a humanidade. Somos chamados a ter uma vida expansiva e não limitada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *