“E ficaram escandalizados por causa dele” (Mc 6,3)

Há alguns sentimentos que vivenciados que nos deixam daquele jeito, deslocados e pensativos. Geralmente podemos nos perguntar. Será que Jesus também passou por isso, como eu estou passando?

Mas quando meditamos os evangelhos encontramos a resposta: sim, Jesus também passou por isso.  Nas leituras de hoje vemos algo comum na humanidade como a tal da indiferença ou a tal da rejeição.

Jesus foi rejeitado pelos seus parentes e conhecidos. Foi a primeira vez que ele sentiu uma rejeição coletiva. Porém percebemos que mesmo sofrendo essa rejeição ele não parou de fazer o que tinha para fazer. Ele não dá peso para as expectativas dos seus parentes ou conhecidos. Aqui entra o dom do discernimento, saber entender o que está acontecendo.

Os familiares além de rejeitarem Jesus, agem também com indiferença. Segundo Mario Quintana, a indiferença é a maneira mais polida de desprezar alguém. Quem cultiva a indiferença sente alegria ao saber que o outro está na pior.

Na primeira leitura percebemos  a maneira que Deus prepara  o Profeta para lidar com a rejeição e a indiferença. A profecia de Ezequiel relata a maneira de Deus agir com aqueles que são chamados. Primeiro Deus faz entrar na pessoa um Espirito que a deixa em pé. Segundo dá a capacidade de ouvir que o Senhor irá falar. Terceiro Ele conscientiza, tira toda ilusão ou inocência dos chamados. Olha, esses filhos tem a cabeça dura e o coração de Pedra, um bando de rebeldes.

A segunda leitura São Paulo fala da graça que ele recebe de Deus diante de suas fraquezas. Nunca podemos esquecer que Deus sempre dá a graça para trabalhar com os nossos defeitos, os nossos limites, as nossas fragilidades e entre tantos impedimentos.

Às vezes podemos rogar a Deus como o Apóstolo Paulo, Senhor afaste de mim tudo isso. Mas Jesus continuamente vem nos dizendo: Basta a minha graça. Não podemos desanimar diante dos desafios. Os desafios não são para a nossa destruição, mas sim para o nosso crescimento. Que Deus nos envie o seu Espírito para que possamos continuar de pé e caminhar rumo a plenitude da vida.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *