O Cristão é um cidadão como todos os outros:

desfruta dos mesmos direitos e tem os mesmos deveres.

E os impostos, ele é obrigado a pagar?

As Leituras nos dão uma resposta…

 

Na 1aLeitura, um rei pagão foi “instrumentos de Deus”  

para libertar o seu povo da escravidão da Babilônia. (Is 45,1.4-6)

 

Ciro, Rei da Pérsia, foi um excelente comandante e político iluminado. Conquistou todos os impérios do oriente, inclusive a Babilônia.

No ano 538, depois de conquistar a Babilônia,

permitiu os judeus voltarem à própria terra e

começarem a reconstruir o templo e a cidade de Jerusalém.

O profeta chama o rei pagão de “ungido do Senhor“.

Ciro torna-se instrumento de Deus, mesmo sem o conhecer,

sem mesmo ser membro do povo da Aliança.

 

* O texto sugere que Deus é o verdadeiro “Senhor da História”

e que é ele quem conduz a caminhada do seu Povo.

Deus pode se servir de qualquer pessoa para realizar seus projetos.

Pode se servir de dirigentes até sem religião, desde que sejam

competentes, honestos e saibam promover o bem-estar e a paz.

– O contrário também pode acontecer:

Nem toda pessoa “religiosa” e bem intencionada

tem a necessária competência para uma função pública.

 

Na 2ª Leitura, Paulo louva o Senhor, porque a Comunidade de Tessalônica abraçou com entusiasmo o Evangelho, e pela ação do Espírito Santo,

deu frutos de fé, de amor e de esperança. (1Tes 1,1-5b)

É a carta mais antiga de São Paulo.

 

No Evangelho, Jesus responde a uma pergunta política. (Mt 22,34-40)

 

Discípulos dos fariseus e herodianos, favoráveis ao poder romano, fazem

uma pergunta capciosa: “É permitido ou não pagar o TRIBUTO a César?”

 

– Se dissesse SIM: apareceria como colaborador da dominação romana.

  Se dissesse NÃO: seria denunciado às autoridades romanas como subversivo.

– Jesus percebe a armadilha. Pede uma moeda e pergunta:

  “De quem é essa imagem?

  “Dai pois a César o que é de César…”

 e acrescenta: “…e a Deus o que é de Deus”

 

+ “Dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus“:

“Dar” significa aqui “devolver” a cada um o que lhe pertence.

Não deve dar a César o que não lhe pertence: a ADORAÇÃO,

devida unicamente a Deus (não aos imperadores…).

* Jesus não nega o pagamento do tributo imperial.

O amor a Deus não tira as obrigações para com a nação.

Mas questiona a pretensão de César de se nivelar a Deus e

exigir dos súbditos culto só devido a Deus.

A resposta reduzia César às suas devidas dimensões.

 

+ Um Perigo: Tirar o lugar de Deus.

– Uns reconhecem a autoridade do império,

  por isso servem aos interesses dele, pagando o imposto;

– Outros querem reconhecer a autoridade de Deus,

  mas deixam de lado o que é de Deus.

  O dinheiro, o poder, o êxito, a realização profissional, a ascensão social,

  o clube de futebol… podem tomar o lugar de Deus e

  passam a dirigir e a condicionar a vida de muitas pessoas.

 

* Deus é, de fato, nosso único “Senhor”, a quem servimos?

 

+ Conclusões da resposta de Jesus:


Dar a César…” (a imagem de César)

O Cristão tem obrigações com a Sociedade em que vive.

Nenhum país funciona se a população não der a César o que é de César…

O cristão deve ser um bom cidadão.

É uma obrigação moral, além de civil, contribuir para o bem comum

com o pagamento de impostos justos.

 

Dar a Deus (o homem foi criado à “imagem” de Deus)

Por isso, seus direitos e sua dignidade devem ser respeitados por todos.

Nós somos o “seu Povo”, que não pode ser vendido a nenhum César.

Se tiramos de Deus o que lhe pertence, devemos “devolver”.

Só Deus é o “Senhor” de nossa vida…

 

Dar à Comunidade cristã (devemos ser membro vivo e atuante…)

 

Participar na Vida e Ação Evangelizadora e Missionária da Igreja

  A Igreja no Brasil nos pede que todos devemos:

    “EVANGELIZAR, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo,

    como Igreja discípula, missionária e profética,

    alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia,

    à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres,

    para que todos tenham vida, rumo ao Reino definitivo”. (DGAE)

 

Colaborar pela sua manutenção, com o Dízimo

  A Bíblia fala e condena os que “sonegam” o tributo do templo…


+ Estamos, de fato, dando a César o que é de César e a Deus o que é de Deus?

   Não podemos “sonegar” o nosso tributo

   nem a Deus, nem à Nação, nem à Comunidade…

 

Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 22.10.2017

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *