“E vós, quem dizeis que eu sou?” (Mt 16,15)

A pedagogia de Jesus nos  Evangelhos é feita de perguntas. E vós, quem dizeis que eu sou? As perguntas de Jesus servem para localizar aqueles que muitas vezes estão andando e não sabem para onde estão indo. O corpo está presente, porém o coração e a mente estão em outro lugar.

No antigo testemunho no livro do Genesis, quando Caim mata Abel seu irmão. Deus também faz uma pergunta que o deixa desajeitado e inquieto: Onde estás o teu irmão?

Quando temos a coragem de dar uma resposta pessoal automaticamente assumimos um compromisso com que falamos e queremos. No evangelho de hoje, encontramos Jesus a caminho com os seus discípulos e no meio do caminho que Jesus faz uma pergunta que surpreendeu os discípulos.

A primeira resposta estava baseada nos que outros falam. Partir do princípio do parece, algo que não soa verdadeiro e que não podemos de fato garantir a existência.

A segunda resposta está baseada na experiência, na vivência e na lucidez da vida. Quando Simão expressa: Tu és o Messias, o filho de Deus. Ele expressa a sua fé, faz uma declaração de fé. Eu acredito nisso…

Jesus responde dizendo: Feliz és tu Simão, porque foi o Pai que te revelou…  De fato somos felizes quando temos um sentido para viver e que esse sentido se encontra em Deus, criador do Céu e da terra. Que Ressuscitou Jesus!

Outro ponto marcante do evangelho é que Jesus anuncia aos discípulos que eles têm uma chave para o Reino dos Céus que podem abrir ou fechar. De fato, quando tomamos consciência e assumimos o nosso compromisso de batizados, sabemos que podemos abrir muitas portas para as pessoas passarem pela misericórdia e pelo amor de Deus.

Ainda dentro dessa dinâmica podemos ressaltar a Profecia de Isaías que fala sobre a dinâmica da vida no trabalho.  O administrador do Palácio foi substituído porque não estava de acordo com a realidade. Ele foi substituído por outro e esse outro a marca era a bondade.

Não podemos reclamar depois que perdemos o nosso lugar se não fomos cuidadosos e zelosos. De fato, Deus não castiga, porém Ele providência o melhor para os seus filhos e filhas e fará de tudo para mudar a nossa sorte.

Pe Bennelson

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *