Você está aqui
Home > Palavra do Padre > A justiça de Deus

A justiça de Deus

Malaquias é um profeta do pós-exílio (séc. V a.C.), e a pergunta que perpassa o trecho
escolhido para esta liturgia é: onde está o Deus da justiça? Essa pergunta surge da
angústia daqueles que sofrem as injustiças e do aparente silêncio de Deus (cf. Sl 73;
Jr 12,1-2). Além de denunciar as injustiças, o profeta afirma que acusar o Senhor de
injusto é uma forma superficial de julgar os acontecimentos e a realidade.
Ainda hoje sofremos com a injustiça que é produzida por nós e também pelos outros.
Não podemos apenas apontar o dedo e achar que a injustiça é apenas os outros que
geram. Eu tambem promovo a injustiça quando não tenho o senso de compaixão e
misericordia.
Na Segunda Leitura, a comunidade Tessalonicense estava sofrendo com um conflito
bem comum: alguns não estavam se envolvendo com o trabalho necessário para
garantir o bem comum.
Na leitura o conflito surgiu quando alguns membros da comunidade abandonaram
suas atividades após ouvirem falar sobre a vinda imediata do Senhor, chegando a
ponto de viverem à custa dos outros e incomodarem a comunidade. Por isso, o autor
afirma: “Ouvimos dizer que entre vós há alguns que vivem à toa, muito ocupados em
não fazer nada” (v. 11).
A vida cristã só tem sentido se estamos numa dinâmica de serviço e não de ativismo.
Isso significa que o nosso trabalho na comunidade não deverá pesar aos outros, mas
ser um alivio para o outro. Por isso não podemos viver na ignorância e usar as velhas
desculpas: ah! Eu não sei fazer isso, ou a clássica eu não tenho tempo… e segue a
lista de desculpas.
O evangelho de hoje nos coloca numa postura de vigilancia diante dos desafios do
mundo presente, mas também nos ensina a ter esperança e lucidez. A narração
lucana nos aponta que às vezes poderemos ser abalados, ser tentados, não ter apoio
de familia e amigos, mas que será necessário continuar o nosso trabalho e a nossa
oração.
Mas vós não perdereis um só fio de cabelo da vossa cabeça. É permanencendo firmes
que ireis ganhar a vida. Essa expressão de Jesus aos discipulos nos ensina confiar em
Deus, mas também naquilo que estamos fazendo. Nunca teremos a aprovação de
todos para realizar uma missão ou uma ação.
Interessante também no evangelho de hoje é que Jesus procura orienta os seus
discipulos para ter consciencia e lucidez: Cuidado para não serdes enganados, series
presos, perseguidos. Que Jesus nos dê a graça da fé, da esperança e do amor para
bem viver a nossa vida cristã.

Publicar comentário

Artigos Similares

Deixe uma resposta

Topo